Trilhas do Rio de Janeiro: Cachoeiras do Quitite

Que o Rio de Janeiro é repleto de belezas naturais a gente já sabe, que é cheio de lugares desconhecidos e cantinhos pouco explorados... também! Por isso, estamos sempre nos dedicando em trazer novidades dentro da nossa própria cidade que fujam da rota turística comum. Hoje, viemos trazer essa trilha de cachoeira em plena Freguesia - Jacarepaguá e esse post que foi muito cobrado em nossas mensagens!

Lago Azul, última parada do circuito
O LUGAR| Bem no meio dos condomínios e casas no bairro da Freguesia, Zona Oeste do Rio, se encontra essa belezura pouco visitada, as cachoeiras do Quitite. A trilha é considerada entre um nível leve a médio mas, como sempre repetimos aqui, isso depende do condicionamento físico de cada um, particularmente, não achei difícil pois ela mistura bem momentos de subida com caminhos planos, o que facilita o descanso e paradas de hidratação.

QUANTO TEMPO DE TRILHA? Fica complicado estimar um tempo para conclusão pois como se trata de um caminho com mais de uma cachoeira, você provavelmente vai parando para curtir um pouquinho cada uma, mas eu arriscaria dizer que subindo direto levaria por volta de 1h30.

COMO CHEGAR| As cachoeiras do Quitite ficam na estrada que leva o mesmo nome, entre os bairros da Freguesia e Anil. Para chegar, fomos de ônibus até o largo da Freguesia e chamamos um carro em app de transporte que nos levou até a entrada do condomínio Sítio Capim Melado, onde demos início ao percurso.

Capim Melado (portaria)

A TRILHA| Bem em frente, você logo vai ver a entrada com um portão de grade e uma estrada de pedras. Ali existe um ponto de moto táxi e algumas moradias ao longo do caminho, então é comum ter motos e moradores subindo e descendo, basta cumprimentá-los e seguir sem medos.

Portão de início da trilha
Após caminhar pela estrada de pedra, logo encontrará a primeira bifurcação, aqui se localizar é fácil, basta sair da estrada principal e entrar a direta no caminho de terra que te levará até o primeiro poço, a direita, onde é comum ter crianças, piquenique e a prática de slackline. É uma boa opção para quem quer curtir uma cachoeira sem fazer uma trilha mais longa.

Primeiro poço da trilha
Voltando ao percurso original, logo mais a frente, encontraremos uma casa com fusca abandonado e uma ponte. Esse pode ser considerado o primeiro ponto de localização para saber se está no caminho certo e o ponto final para quem escolheu subir a primeira parte de moto.

Primeiro ponto de localização da trilha
Atravessar a ponte, de início pode parecer estranho pois ela aparenta estar fechada, mas na verdade acreditamos se tratar de uma barreira para motos, já que a partir daí a trilha começa a se fechar e vamos nos rodeando de natureza por todos os lados.

Ponte para início da trilha em vegetação fechada

Seguindo pela trilha, uns 30 minutos acima, passamos pelo segundo ponto de localização, uma casa bem no meio da vegetação que indica estar no caminho certo. Após ela, caminhando por mais uns 10 minutos, chegaremos a segunda parada e uma das mais bonitas, uma queda d'água entre duas pedras enormes que formam um cenário lindíssimo e surpreendente, realmente um paraíso guardado a sete chaves pelos moradores locais.

Jéssika e nossa amiga @sombralara na cachoeira 
Essa segunda parada é perfeita para relaxar, descansar e se alimentar. A terceira e última parada fica bem perto, mas muita atenção: A trilha não é bem demarcada e ainda é cheia de bifurcações que podem te levar a lugar algum e te fazer voltar a trilha principal, é aconselhável ir com alguém que conhece o caminho.

A última parada se trata de um poço com uma pequena queda d'água que é conhecido pelos locais como "Lago Azul", nele é possível mergulhar e até saltar de pedras pois é mais fundo que os dois anteriores, mas para ter uma noção, refizemos o mesmo caminho umas 3 vezes antes de conseguir chegar ao famoso Lago Azul, por isso, tiramos muitas fotos para tentar explicar bem.

Voltando a trilha principal, a vegetação vai fechar um pouco sendo necessário caminhar por capim alto, mas por pouco tempo, mais a frente terá um pequeno momento de "escalaminhada" em uma rocha no meio da trilha. Lembre-se que a água está a esquerda, isso vai te ajudar a permanecer no caminho certo.

Um pouco mais a frente, chegaremos a um pequeno poço e a partir dele, você praticamente já chegou ao Lago Azul.

Poço que marca a proximidade com o Lago Azul
O último passo é continuar a trilha na lateral do poço até chegar as pedras, onde você deverá subir pelas laterais.

É necessário subir por esse caminho de pedras
Prontinho, chegamos! Esse é o Lago Azul, o último atrativo desse "circuito de cachoeiras", um poço de águas claras bem no meio da mata, cercado por borboletas que tornam o caminho mais especial. Vale a pena conhecer este lugar.

Muitas borboletas pelo caminho!

O famoso Lago Azul
O QUE LEVAR| Leve água, comidinhas leves, roupa de banho, repelente e uma toalha pois são poucos os pontos de sol para aquecer pelo caminho. Apesar de ser indicado realizar a trilha com tênis, fizemos de chinelo e achamos bem tranquilo.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.