Fernando de Noronha: Praia e piscina natural do Atalaia


Nada mais gratificante que caminhar por uma trilha cheia de pássaros e uma linda vegetação de mata atlântica e, após cerca de 30 minutos, chegar a uma piscina natural gigante repleta de biodiversidade marinha.

E, no meu caso, como moradora temporária, posso dizer que mais gratificante ainda é trabalhar nesse lugar algumas vezes na semana e mergulhar observando as espécies existentes na piscina natural mais rica em fauna marinha que eu conheço.


O LUGAR| O Atalaia é um dos lugares indispensáveis em Noronha! Não deixe de ir, isso é mais que uma dica, é um aviso, vá conhecer a piscina natural do Atalaia!

A paisagem da praia do Atalaia é surpreendente e conta com uma visão para o Morro do Frade, localizado no meio do mar, ele é um dos cartões postais de Fernando de Noronha. Além disso, a praia é repleta de pedras de origem vulcânica e formações rochosas esculturais.


E toda essa beleza é apenas o aperitivo do passeio, pois o prato principal esta embaixo da água. Mergulhar na piscina natural do Atalaia é de arrepiar!

A piscina natural do Atalaia é uma das raras piscinas naturais do Brasil em que se pode mergulhar em apneia, no raso, e presenciar uma biodiversidade marinha muito semelhante a encontrada no fundo do mar com os mergulhos de cilindro. Sendo assim, uma opção tanto para mergulhadores experientes, quanto para quem nunca mergulhou e tem receio de ir mais fundo.


O que eu vou ver nesse mergulho? Diversos recifes de corais, peixes camuflados como, por exemplo, o linguado, polvo, crustáceos, moreias, uma diversidade de peixes coloridos como cirurgião azul, e até filhotes de tubarão limão.


Essa biodiversidade de espécies é graças a mudança da maré. Na maré alta, a água cobre toda a piscina, chegando próximo a vegetação local, trocando a água e ocorrendo a circulação da fauna. Quando a maré baixa, alguns animais ficam na piscina, tanto para se proteger dos animais maiores quanto para se alimentar. A piscina na maré baixa se torna um berçário e um refúgio dos animais marinhos.


Mas para que esse local seja preservado, é importante alguns cuidados. O ICMBIO controla a visitação, que só pode ser feita na maré baixa, a visitação tem horário marcado de acordo com a tábua de maré.

ATENÇÃO| É obrigatório fazer o agendamento para realizar o passeio. A praia do Atalaia não pode ser agendada online, então assim que chegar, vá até a sede do ICMBIO, que fica localizada no Boldró, ao lado do projeto TAMAR. De carro é de fácil acesso pela BR363 e bem sinalizado, de ônibus é só pedir para o motorista te avisar quando chegar no ponto da sede do projeto TAMAR.

Os grupos são pequenos, já que foi feita uma pesquisa sobre a capacidade suporte da piscina, sendo permitido a entrada de 16 pessoas a cada 30 min (tempo para mergulho nas piscinas). É tudo bem cronometrado, o outro grupo chega enquanto o atual esta saindo da piscina, e o monitor vai organizando essa dinâmica. Após o agendamento leve o comprovante no dia e hora marcada.


A TRILHA| O começo da trilha é na Vila do Trinta, uma dica é pegar um mapa no centro de visitantes, será fácil se localizar.

Na entrada da trilha, vocês vão encontrar uma estrutura com lanchonete, aluguel de equipamento e lojinha, nessa área, o primeiro monitor estará posicionado para verificar seu agendamento e passar informações. Já na praia, você encontra outro monitor do ICMBIO, esse irá passar informações importantes sobre o comportamento que deve ter dentro da água. E é primordial que preste atenção nos detalhes, pois a piscina é linda mas é um ambiente frágil, sendo necessário essa fiscalização e conscientização dos visitantes.

O QUE LEVAR? Água, snorkel, colete salva-vidas* (item obrigatório) e vá de tênis.

O QUE NÃO LEVAR? Não pode usar extensor (famoso pau de selfie), não é permitido entrar na água com protetor solar no corpo, já que a água fica represada nas piscinas e o produto químico pode matar os peixes.


*A piscina é muito rasa e o colete é usado para auxiliar na flutuação e impedir que os visitantes pisem nos corais ou toquem nos corais, causando impacto ambiental. Caso não tenha alugado o material antes, é possível fazer isso na entrada da trilha.

Um comentário:

  1. Muito bom, só me choquei com as normas, em 1988 era mais livre a coisa sem taxas e tanta burocracia, mas concordo que essas normas atuais sejam necessárias.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.