Isla del Sol e o lago Titicaca


A Isla del Sol é a maior ilha do lago Titicaca localizada próximo a cidade de Copacabana, na Bolívia. Há, aproximadamente, 3.800 metros de altitude, a ilha, é um destino muito desejado pelos turistas, principalmente mochileiros, que cruzam a América do sul.

COMO CHEGAR | A maneira mais fácil de chegar na Isla del Sol, é por Copacabana, seu principal acesso. Lá, poderá encontrar agências que fazem esse transporte via lago. A frente do pequeno porto da cidade, existem muitos guichês das cooperativas de barqueiros responsáveis pelo trajeto, ou você pode adquirir direto na praia.


Os barcos saem em dois horários todos os dias, um horário pela manhã e outro a tarde, 8h30 e 13h30, respectivamente. Esses horários valem tanto para visitar a Isla del Sol, quanto a Isla de la Luna. Pagamos 30 bolivianos cada uma pelo passeio e tivemos, dentro do barco, a opção de contratar um guia por 10 bolivianos a mais, diferente das agências que vendem o passeio + guia por 50 bolivianos ao todo. 


TAXAS DA ILHA | Dentro da ilha, existem taxas de entrada a cada parque, como uma espécie de "pedágio" e algumas pessoas que verificam se você está com o comprovante de pagamento. Atualmente são duas taxas de 15 bolivianos cada uma, mas isso as agências geralmente informam antes do embarque, de qualquer forma, verifique, pois os bolivianos são bem desorganizados.



PARTE NORTE E PARTE SUL | Visitamos Copacabana e a Isla del Sol no final de Julho deste ano e, chegando lá, descobrimos que a parte norte está fechada há mais de dois meses devido a um conflito entre os dois povos. Sendo assim, os passeios estão sendo realizados de forma diferente da habitual. O barco nos levou para a primeira parte, onde ficaríamos em torno de 30 minutos e, depois, seguiríamos viagem para o outro lado, onde ficam as ruínas. De Copacabana para a Isla, levamos em torno de 2 horas.

Como todos falam que a parte norte é a melhor em termos de história, ruínas e visitação, ficamos chateadas de não poder visitar. Já a parte Sul, é mais conhecida por sua melhor infraestrutura turística, sendo assim, vale super a pena passar uma noite por lá e caminhar conhecendo melhor aquela parte da ilha, sem se preocupar com horário de retorno.


SOBRE O GUIA E A VISITA A ISLA | Fechamos nosso passeio com a empresa Olas del Titicaca, achamos a dona bem simpática e atenciosa, diferente da maioria dos funcionários das outras empresas que passamos. Um detalhe muito importante é que Copacabana é um lugar onde o turismo é bem precário, apesar da cidade viver muito disso. As agências tabelam os preços e fazem os passeios no mesmo barco usando os mesmos guias, o que nos limita bastante em decidir o padrão de passeio que queremos. Já que não existe competição, isso acaba prejudicando a qualidade do serviço prestado, que permanece sempre o mesmo.

Durante nosso trajeto até a ilha, tivemos a opção de contratar o guia do barco, porém após observar o mapa e tirar várias dúvidas com ele, perguntando a mesma coisa várias vezes, decidimos descer sozinhas para ganhar mais liberdade na visitação. Acabou sendo uma péssima ideia, pois o guia simplesmente pegou aqueles que o pagaram e saiu disparado na frente, por um caminho alternativo, além de nos dar informações diferentes das que eles seguem, por exemplo, acreditamos que de má fé, ele nos informou que o passeio seria de 1h, e seria caminhando de um lado até o outro e retornando ao barco, sendo que 30min após o nosso desembarque, que era o último horário do dia, o barco partiu para o outro lado da ilha, deixando nós duas e mais um grupo de passageiros por lá.

Ao pedir ajuda e informações para os barqueiros que ainda estavam na ilha, eles nos cobraram 150 bolivianos por pessoa para levar até o outro lado e encontrar o nosso barco para conseguir voltar a Copacabana. O que nos salvou, foi procurar outras alternativas e conversar de barco em barco na marina, acabei encontrando uma família que também havia ficado para trás e alugado um barco de forma privativa, eles nos agregaram com mais um casal de americanos que estavam perdidos e levaram até o outro lado sem cobrar nada por isso. 


A ISLA DEL SOL | Durante o Império Inca, a ilha era considerada um santuário onde ficava o templo dedicado ao Deus Sol. Hoje, sua pequena população de origem aimará e quéchua, vive da agricultura, artesanato, turismo e criação de animais como a lhama. Encantadora, a ilha é um lugar onde existe uma mistura de história com belezas naturais. Lugar que, com certeza, vale ir mais relaxado e não na correria, por isso, recomendamos que façam um pernoite, mesmo que seja um valor um pouco mais caro que em Copacabana, pois assim terá tempo para conhecer melhor o local apreciando e admirando seus atrativos, os vestígios da tradição Inca e observando os costumes locais. De toda a Bolívia, exceto pelo Salar de Uyuni, a Isla del Sol foi o melhor lugar que visitamos. 

Um comentário:

  1. Gente, que lugar lindo é esse? Olha, mesmo com os perrengues que vocês passaram com o guia e o fato de um lado não estar aberto para turismo, vocês conseguiram registrar fotos lindas da viagem a Isla del Sol. E bom saber que eles são desorganizados, rs. Mas sério, a vista para esse marzão todo azul é uma maravilha, amei o post de vocês. Beijos.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.